quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal


e o natal, sentimento final de refazimento
iniciando o novo ciclo que será antecedido por uma série de promessas que tentarao ser cumpridas a todo custo e negadas por vezes no mais frio dos sentimentos de indisciplina.
cristo neste dia nasce para dar forca aos nossos sentidos, iluminar e nortear nossos caminhos.
e se ele é ou nao um mensageiro, isto nao importa na verdade.
que a beleza do recomeço possa vingar neste ano que está para vir,
e que tudo seja agradecido pelo merecedor esforço que nós, por muitas vezes, ficamos a reclamar.
esta será o nosso eterno crescimento.
na casa da contradição.
na força de poder recomeçar

misterio

o samba nao e carioca
o samba nao e bahiano
o samba nao e do terreiro
o samba nao e africano
o samba nao e de colina
o samba nao e de salao
0 samba nao e da avenida
0 samba nao e carnaval
o samba nao e da teve
o samba nao e do quintal
mas como reza a tradicao
e tudo uma grande invencao!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

cobrança@mae.pai.chega

já é sabido pelas minhas indas e vindas no campo psicológico que o meu sucesso é regido pela contradição. Por ter uma estrutura familiar que me desencorajou muitas vezes a seguir caminhos arriscados, pude no exito que tive, brilhar no contra ponto... como se estivesse remando contra a maré.

querer que seja diferente é pedir pra nascer denovo, o que dificilmente vai acontecer...
afinal estamos falando de outras pessoas... que agem e pensam de acordo com tudo que
acreditaram até agora.

apesar de saber que estou longe da perfeição, quando esterioriso alguma das minhas dores e mágoas venho de forma agressiva mostrar quanta dor eu tenho guardada dentro de mim.

essa coisa de repelir as dores, fisicas ou mentais é fruto de um ser que se protege da frustração... pois quer sempre surpreender e se provar para seus pais... chefes... amigos...

a insegurança que me rege é também as avessas. comunicativo, escondo a minha mais tórrida timidez que existe profundamente nas questões que temo expor pra não amargar incompreensão ou exclusão.

sei que faço o melhor que posso, mas nunca acho que realmente faço tudo que posso.
essa amargura fuzila meus instintos que gostariam de ser aquele ser responsável, quadrado e perfeito que não surpreende ninguém, mas cumpre todas as regras sociais de prestação de caridade a servidão amorosa.

a violencia dos meus atos e palavras machucam os outros. apesar de dize-las de forma calma, sangro por dentro para conter a dor e a raiva que me ronda... é a sombra de minha complexidade... é a vida que prentendo agora domar....

por que existe essa relação de insuficiencia entre eu e meus pais?
apesar de se dizerem orgulhosos, porque não se fazem orgulhosos mesmo que esperem mais de mim?

por um segundo um sentimento de pena ronda minha cabeça e já fico revoltado com o caminho que minha mente faz pra essa relação... me escoro mais uma vez na minha dualidade e parto cheio de força em busca de ganhar tudo que puder e dizer a eles....

VEJA, EU CONSIGO!

dois x um agora tem que virar um só.
surpreender mas fazer acontecer!

bele

nem tem
formuleta
nem linha
pro sucesso
só a certeza
beleza?
beleza, que não se
põe na mesa
mas se vibra
inteiramente
e acredita
não duvida
compra briga
e vai pra cima
sem medo de
viver a vida

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

FLAMENGO PENTA CAMPEÃO

A verdade sobre 1987
Sport Campeão

Em 1986, o campeonato BRASILEIRO foi decidido entre São Paulo e Guarani, com o SP sagrando-se campeão. Naquele tempo, o campeonato era disputado por muitos times e os clubes dos grandes centros, os maiores em termos de títulos e torcida, resolveram se unir e criar um campeonato exclusivo com eles, os doze maiores do Brasil: São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Santos, Grêmio, Internacional, Flamengo, Vasco da Gama, Fluminense, Botafogo, Cruzeiro e Atlético Mineiro. O Bahia, que era dirigido por um homem com muita força no futebol, o Paulo Maracajá, e sempre atraía grandes públicos para a Fonte Nova, brigou muito, fez pressão e conseguiu sua inclusão, nascendo assim o famigerado Clube dos Treze.

Eles procuraram a Rede Globo, que gostou da idéia, e conseguiram com a Coca-cola o patrocínio do torneio, com a Coca colocando sua marca na camisa de todos os times, nos prismas principais dos estádios e nas transmissões da Rede Globo.A CBF foi contrária pelo fato de que, apesar dos clubes se acharem os maiores do Brasil, e alguns realmente eram, no campo e na bola jogada no ano anterior, muitos ficaram mal classificados: o Vasco, por exemplo, tinha caído para a 2ª divisão. Então, a CBF fez ver ao Clube dos 13 que qualquer clube que se achasse prejudicado entraria com ação judicial e ganharia. Sport, o Campeão. Protesto contra a Coca-cola

Então, o “Clube dos 13″ teve uma “brilhante” idéia: um campeonato com todos os 32 clubes da primeira divisão, divididos em dois módulos, com 16 clubes cada.O verde, com os clubes pertencentes a ele, os dois clubes não participantes do “Clube dos 13″ melhores classificados no ranking da CBF (Goiás e Curitiba) e o Santa Cruz, que entrou no bolo por causa da pressão política exercida por Marco Maciel e pela amizade pessoal que o seu presidente tinha com Marcio Braga, presidente do Flamengo e primeiro presidente do “Clube dos 13″; e o módulo amarelo, composto pelos demais clubes que tinham direito adquirido em campo de jogar a Primeira Divisão do futebol Brasileiro.Cada módulo teria sua disputa, jogando todos contra todos em turno e returno. No final, o 1º e o 2º colocados de cada módulo fariam um quadrangular e decidiriam o campeão e o vice do Campeonato Brasileiro. A segunda divisão também seguiu o mesmo critério, divididos em módulos azul e branco (as cores dadas aos módulos foram em homenagem a bandeira do Brasil).Sendo assim, deu-se início ao Campeonato Brasileiro de 1987.

Aí veio a grande SAFADEZA, típica atitude de abuso de poder das elites que acham que tudo podem em nosso País.Quando já estava perto da definição dos representantes de cada módulo, para a disputa final, o “Clube dos 13″ convocou uma reunião do Conselho Arbitral e propuseram uma mudança no regulamento: não haveria mais a realização do quadrangular final e o campeão e o vice do módulo verde seriam decretados, automaticamente, campeão e vice do brasileiro.
Em votação, eles obtiveram a maioria dos votos a favor da mudança, porque além de contar com a unanimidade dos votos dos membros do módulo verde, alguns capachos do módulo amarelo também votaram a favor, como o Náutico, que objetivou claramente prejudicar o inimigo local, o SPORT, melhor time do Módulo Amarelo.

Mas aí veio o grande erro do “Clube dos 13″, que não era comandado por pessoas tão inteligentes quanto os mesmos se achavam.O Regulamento do Conselho Arbitral previa que para se aprovar o regulamento de uma competição, logicamente antes do início dela, precisava-se da maioria dos votos a favor, PORÉM, DEPOIS DE INICIADA A COMPETIÇÃO, O REGULAMENTO SÓ PODERIA SER MUDADO POR UNANIMIDADE DOS VOTOS do Conselho Arbitral e não apenas pela maioria dos votos.Esta norma existia justamente para evitar que os times com maior poder pudessem se unir e usar deste poder em favor de si mesmos durante uma competição.Este erro foi decisivo para que o Flamengo e seu “inteligente” presidente perdessem, no futuro, todas as tentativas jurídicas de conseguir o título de campeão brasileiro de 1987. A CBF então fez o justo e o que estava conforme a Lei e não aceitou a falcatrua maquinada pelos mafiosos que na época estavam à frente do “Clube dos 13″, confirmando a realização do quadrangular final.

As primeira e segunda rodadas foram marcadas, mas Flamengo e Inter não apareceram e a CBF acabou marcando dois jogos entre SPORT e Guarani, sendo o primeiro em Campinas, com empate de 1X1, e o segundo na ILHA, 1X0 para o SPORT, com gol de Marco Antônio.O fato da Globo não ter transmitido os jogos deu-se em virtude do boicote que os clubes integrantes do Módulo Amarelo fizeram à Rede Globo e à Coca-cola, que juntamente com o “Clube dos 13″ se achavam donas do futebol brasileiro e só patrocinaram os clubes do Módulo Verde.

Homero Lacerda, presidente do SPORT Recife na época, proibiu a entrada de profissionais da Rede Globo na Ilha e fechou a transmissão do jogo pelo SBT, eterna emissora rival da Rede Globo. O mesmo fez o presidente do Guarani.O Flamengo tentou de todas as formas anular a decisão da CBF e perdeu em todas as instâncias judiciais, no âmbito desportivo e também da Justiça Comum, sendo inclusive ameaçado de punição pela FIFA, que também reconhece o título de 1987 como sendo do Sport.Por fim, SPORT e Guarani foram homologados campeão e vice-campeão brasileiros de 1987, tendo inclusive representado o Brasil na disputa da Taça Libertadores da América de 1988.

Como se pode ver, o SPORT derrotou a todos que se dignaram a enfrentá-lo nos gramados (como o vice-campeão brasileiro do ano anterior: O Guarani) e nos tribunais (os que não tiveram decência de enfrentá-lo nos gramados, como Flamengo e Internacional).Esta história marca a luta de um time nordestino que enfrentou sozinho o poder dos maiores times do Brasil, que unidos com a Rede Globo e a multinacional Coca-Cola, acharam que poderiam fazer prevalecer sua vontade sobre o que era justo e dentro da Lei.

Algumas mentiras que se repetem até hoje: ”SPORT e Guarani eram da segunda divisão.”
Mentira: Como poderia ser o Guarani da segunda divisão se era o vice campeão de 1986?

A segunda divisão foi disputada com os Módulos Azul e Branco.“A CBF mudou o regulamento.”
Mentira: Quem tentou mudar regulamento, após o início da competição, foi o Clube dos 13, mas não teve êxito, pois isto só seria LEGAL com a UNANIMIDADE dos votos dos membros do Conselho Arbitral, o que não ocorreu.

”O Flamengo recebeu a taça.”
Mentira: A taça foi entregue ao SPORT e está na Ilha do Retiro, na sala de troféus do SPORT, para quem quiser ver. Ok?

Conclusão: FLAMENGO – PENTA CAMPEÃO 2009!!!

* contido no anuário da CBF 2009

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

sem retrovisor!

mira
lisa minha vida
siga nem disfarca

sabe se que mira
vida que não
passa

no brasa tudo se
mata
se come
e se caça

quem que sabe o que tem?
mordaça!
risada que não passa!

raul belê

olhando, sentindo, orando

mamae
querida que olha
por mim
querida que olha
por nós
querida que sente
e ve.

mamae
querida olhamos
por ti
querida te queremos
aqui
querida por deus
e por nós.

a vida não acaba
aqui
e segue e mede
sem medo,
tem muito mais
coisa
afim.

vem sem medo
de ser
assim.
sorria feliz
mamae,
querida
olhamos por
ti.


raul belê

domingo, 29 de novembro de 2009

Mudanças

Cansei.
De tratar as coisas de maneira fulgaz, me revirar e remoer pelos dribles que tomo da vida.
A minha inconsistencia causa medo nas pessoas, e pra se protegerem elas me expõe, me desmoralizam, me confundem.

Cansei também de ser tão acessivel. De querer envolver tudo e todos. De contar segredos,
que nem eu sei direito. Cansei de dividir, e ser dividido.

Cansei também de ser namoradinho do Brasil.
E já não sei porque, e se terei como fugir disto.

algo me diz que preciso de um pouco de amor nos ouvidos.
verdade, decencia e cafuné.

Tapas na cara que servem de presta atenção.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

embolada

Vadio, na linha tenue que separa o meio fio, da meia volta fica o malandro de guerra.
o poder da reconstrução.é a arte que a vida tem em poder se recriar.recontar a historia e ser quem quiser ser.O sangue corre e esquenta a cabeca que a milpor hora está a celebrar.a proteção já não é tão clara, e a sensaçãode desafio é cada vez maior.o que por hora se faz irresponsável, é amanhãexemplo para seguir vencendo.e os sorrisos amarelos que me olham,e os olhos que eu finco dentro da alma dos que me enganam... e o suor da vitória dos que, comigo compartilham o bom momento vou pouco a pouco reparando meus alicersescriando vigas e sacrificando alguns corrimões. não estou sendo observado e posso finalmente relaxare se pra relaxar há de precisar tensões e concentraçõeschegou a hora de ratificar seu valor

domingo, 15 de novembro de 2009

A TIGRESA E A ÁGUIA

Por que me pedes, querida, para te esquecer, se ao pedires me mostras o quanto estou presente em ti?

Sussurras macio, como teu andar de tigresa no silêncio dos inúmeros segredos que te guardam, e dizes que o tempo dará respostas ao medo que sentes de voar, comigo, para além das fronteiras do medo, teu e meu.


E não percebes que teu próprio murmurar revela, também, a marca da eternidade parindo nosso instante e batizando, com as águas do infinito, qualquer lugar em que o ponhas.


As respostas de Cronos, querida, são só outras perguntas...


Queiramos ou não, tu e eu, estarei contigo sempre, indelével tinta de sangue desenhando na alma do ontem, do hoje e do amanhã a cor de minha carne, não importa se a aceites ou recuses.

Nosso encontro não pertence a nós e sim às incontáveis probabilidades com que o Criador vestiu o mundo, ordenando à luz fazer-se em brilho para romper trevas e mostrar, na escuridão, fontes que saciem nossas sedes de homem e de mulher, banhando de vida a aridez em que a procura, às vezes, mascara o rumo dos olhos no dinamismo de nossa mudança e crescimento.


Por isso, mais do que aceitar, sorvo com gula o inevitável, e não dispenso nenhuma gota da taça do momento.


Sei que não posso, não devo e não quero escrever tua história com outra caligrafia que não seja a tua, e aceito por enquanto tua fuga. Que fazer contra tua vontade e caprichos?


Mas, tigresa, lembra disso: estou vinculado a ti por uma ordem do divino, e meu olfato identifica teu aroma de deusa onde estiveres. Por isso, te perseguirei pelas galáxias, sempre desarmado, pronto a doar minha própria essência como tua presa e caça.


E se - tigresa, fada, feiticeira ou mulher feita de corpo e de sonho - um dia quiseres alçar vôo para os céus do amor, mesmo com medo, finca tuas garras felinas em meu dorso de águia e sobe, comigo, para ver, lá do alto, o sol nascendo de novo sobre as montanhas de Eros.

Hugo Leal

sábado, 31 de outubro de 2009

Tio Chico

Chegou a hora da gente se encontrar.
Chegou a hora dessa musica sair.
Eu não quero mais esperar, não dá mais pra fugir.

Nos espelhos da virtuosidade,
uma fonte real de semelhança
não és porque não, apenas um semblante
és vivo na concórdia triunfante.

Procurarei por ti!
Irmão de signo.

Uma questão de sintonia

Ao vivenciar um constrangimento, raiva, decepção, mágoa ou qualquer outro tipo de dissabor, procura o distanciamento do fato necessário para refazimento das tuas emoções. Lembra que os sentimentos de ódio, vingança ou rancor te manterão atrelado energeticamente à pessoa que supostamente os tenha causado.

Lembra também que estes fatos só podem te atingir se você o permitir. O resultado do que sentimos e fazemos é apenas uma questão de sintonia. Se estivermos na sintonia do perd"ao e da compreensão, teremos de volta paz e concórdia. Da mesma forma se estivermos conectados com o mal que nos fizeram, estas ervas daninhas irão se proliferar em nossos corações e mentes como pragas indesejáveis. E quando nos dermos conta, já estaremos no emaranhado destas energias interferentes, reféns delas.

Que tal buscar a libertação destes grilhões?

Porque agimos como escravos acorrentados ao mal se podemos alçar vôos infinistos na direção contrária? Nada nos detém. Tudo podemos nas asas do imponderável.
Liberte-se. Não perca tempo com sentimentos destrutivos. Ao tomar consciência deles ganhará a opção de descartá-los e transmutá-los.

O inimigo não merece tua atenção além do tempo necessário ao exercício do perdão e da humildade. Liberte-se do orgulho e da prepotência que serás muito mais feliz e estarás mais perto da concretização dos teus sonhos.

Luz e Paz!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A vovó das Havaianas

LUIZ FELIPE PONDÉ

Palmas para a agência; um baile nos chatos contra a autorregulação em propaganda
CARA LEITORA , você fala de sexo com sua avó? Se ela falasse com você sobre que tipo de cara é bom pra você ir para a cama, você ficaria à vontade? Ou do alto de seus 20 anos e do blábláblá sobre sua geração ser "sexualmente mais emancipada", você ficaria vermelha e, num reflexo ancestral, fecharia as pernas de vergonha?
Pesquisas consideram as mulheres como índice significativo em termos de "progresso" nos comportamentos. Mulheres que transam fácil e falam disso com desenvoltura, isso seria indicação de "sociedades mais avançadas". Ainda que eu, como a cara leitora já sabe, não acredite muito nesse blábláblá de sociedade mais avançada. Africanas transam muito e a África está longe de ser avançada.
Por que faço esta pergunta indiscreta? Perguntas sobre sexo são difíceis porque se mente muito nesse assunto. Não acredito que hoje se faça mais e melhor sexo do que se fazia antes. A dita revolução sexual é puro marketing de comportamento. Serve pra produzir comportamentos superficiais que vendem coisas relacionadas ao sonho de consumo sexual. No íntimo, a maioria continua insegura, solitária e mal resolvida, só que agora sabe falar bonito sobre a tal liberação sexual.
Em setembro, estreou um comercial de um modelo de Havaianas onde uma jovem conversa com sua avó em um restaurante. Sua avó reclama de suas sandálias num local chique como o que elas estavam. Ela responde algo do tipo "deixe de ser antiga vovó". Entra um cara famoso e bonito no restaurante e elas olham.
A vovó diz pra neta que aquele é o tipo de cara que ela deveria arranjar. A neta responde que casar com gente famosa não é bom. Aí vem o tiro da vovó, quando ela diz mais ou menos assim: "Estou falando de sexo e não de casamento menina!".
Após reclamações do "público sensível", a agência de publicidade criadora do comercial colocou outro filme no ar, em que a atriz que faz a vovó, com um laptop no colo, faz referência explícita às reclamações e diz que a agência decidiu fazer esta segunda versão (que não encobre, e mais do que isso, assume o mal-estar causado pela primeira) em respeito aos ofendidos, mas que, ao mesmo tempo, mantém a primeira na internet em respeito aos que gostaram da "versão maldita". E ainda dá um olé: "Depois digam que não sou moderninha", e acrescenta "isso não é muito democrático?"
Palmas para a agência e para o produto. Um baile nos chatos que não reconhecem a importância da autorregulação em publicidade e querem legislar sobre como as pessoas lidam cotidianamente com a banalidade e a falta de sentido da vida miúda. O problema da repressão à publicidade é que ela pode facilmente criar uma propaganda "frouxa" que só diz o que os chatos acham que pode ser dito. Um chato é uma pessoa que normalmente não tem muita criatividade e atrapalha quem tem. Não há como ser criativo sem correr riscos na vida.
Entretanto, ainda que os envolvidos na criação do comercial tenham se saído muito bem dando uma lição de autorregulação e de como se deve agir numa sociedade difícil como a nossa, sem desistir da ideia "reprimida" pela hipocrisia do público ofendido, esse fato revela mais do que a vitória da criatividade sobre a repressão burra. O fato revela como somos todos reféns do que pessoas banais pensam, em seus apartamentos de classe média.
A ideia de que o público seja mera vítima na sociedade de consumo conta apenas parte da história desta sociedade de consumo. E a fala da vovó, "isso não é muito democrático?", revela exatamente uma das agruras da democracia, sistema necessariamente aberto a estupidez pública. O consumo pode ser de fato uma ferramenta de enorme poder nas mãos do cidadão-consumidor.
Esse "case" Havaianas revela a inteligência adaptativa da propaganda e como ela é uma fronteira na sociologia contemporânea. Uma personagem vovó brinca com o senso comum de que jovens "estão adiante de seu tempo" - uma bobagem que só tem valor quando utilizada pra vender alguma coisa. Jovens são "conservadores" com tudo o que dão valor e "progressistas" com tudo o que não dão valor, assim como todos os mortais. O personagem jovem como agente de mudança é um mito. Fora o mito, são repetidores de (novos) preconceitos, (novas) fofocas e (novas) repressões em meio às (velhas) baladas. Vou sair e comprar uma Havaianas dessas pra minha filha de 17 anos. Mesmo se for tudo uma grande criação de marketing, ainda assim,

domingo, 25 de outubro de 2009

Padrinho

Hoje, depois de uma noite da pesada vi que as coisas estão mudando.
Acordei e vi uma barriguda linda na minha frente. pensei, nossa, minha irmã vai ser mãe!

depois vi a familia toda em ecstase.
Nossa, meus pais serão avós.

Logo mais estava eu tirando foto com o casal.
Virge, eu serei padrinho!
Em um estalo de dedos a vida me deu uma sobrinha e afilhada.

Comi muito a chepa da mamãe, e como sempre pensei que vai ser dificil arrumar alguém que cuide assim de mim. Terei que começar a me cuidar sozinho, antes que seja tarde.

Conheci a simpática familia do Rafael, e os outros simpáticos padrinhos.
Gostei. Acho que continuaremos ter a Natais bem animados. Com muita musica também.

Depois dormi. sonhei. briguei. errei. e acordei e não encontrei mais a lelê.
nem suas fotos. nem suas coisas. Ela está caminhando outra vez.
fiquei feliz... mas, triste também.

A vida parece martelar na minha cabeça que acabou a brincadeira.
Tocou o sinal do recreio e ele foi claro, reto e preciso.
- E ai? Vamos nessa?

Pensei no Papai e na Mamãe.
Tive vontade de chorar. Como sempre, não consegui.

Armazeno tudo, venho aqui e tento chorar em palavras.
torço pra que tudo dê certo. pra que a lelê seja muito feliz...
que eu, consiga fazer o melhor trabalho da minha vida....

e que a mamãe e o papai possam recomeçar uma feliz história,
agora a dois novamente.

é um pedaço de mim,
sentirei muita falta de todos.

maturidade e peso

o meu rosto continua igual.
previsivelmente jovem.
a minha cabeça começa a borbulhar.
aquele receio de alguém que sabe que não poderá falhar mais.

não agora. não nesse momento.
uma mudança atras da outra, um nó em minha garganta.
sei do peso das minhas decisões, e sei que posso carrega-las.

a pergunta é agora, como fazer para que isto seja mais consistente?
ser consistente é, ter certeza, absoluta, em todos os termos de que se faz a coisa certa!

os meus sentidos não podem falhar e eu terei que fazer um grande leitura da situação.
ir com calma. com confiança e sem medo.
que Deus possa me ajudar. que eu possa ser eu mesmo, sem me machucar.
e que venha o Rio de Janeiro, o mercado, a competição e a meritocracia.

raça não vai faltar.
raça, é a hora de ganhar.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Coração em Movimento


o homem é a sua coragem.


a beira de mim, me vejo largando minha espada empunhada a tanto tempo.

a beira de mim, me vejo nu e indefeso tentando me defender com palavras de bom tom.


ao transbordar perco o brio, o brilho, a cor e o motivo.

me sinto vazio e recuo numa medida inteligente para não me machucar.


será então que realmente não dá pra ser transparentemente seguro.

e que não conseguiremos reconstruir o que parecia realmente verdadeiro.


por mais que eu tente, são só palavras... planos... vontades...


o homem é a sua coragem.


a beira de mim, naufrago em duvidas, ruinas, e lembro do tempo que não era só.

a beira de mim, me furto, fico sozinho e lembro que não tenho mais espada.


guerreiro sem arma, vira professor sem giz.

futeboleiro sem gol. piloto sem direção.

você sem argumentação.


e pra onde ela foi?

nem sabe os porques e nem se entregar se entregou.


o homem é a sua coragem.


a beira de mim, me sinto mais leve mesmo que o ar esteja poluido

a beira de mim, sei que fiz o que pude. que fui sincero. verdadeiro e não leviano.


o homem que diz sou, não é. pois ele é sua coragem.

a coragem faz o homem, e numa busca rápida de paginas descobri que

coragem é "coração em movimento"....


logo imaginei que não haveria razão para se transbordar em verdade

ao ouvido de quem se gosta....

mas de certa forma, sobra coragem para fugir das dificeis provas da vida.


a beira de mim,

homem e coragem.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Going


Destino não e uma questão de sorte,
mas sim uma questão de escolha,

não é uma coisa que se espera,
mas sim que se busca.
O impossível só vira realidade
se você estiver preparado quando
a chance aparecer...

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Travessia

Há muitos sóis não te vejo
Muitas luas não te beijo
Tantas estrelas queimando
Nos mares do meu desejo

Seja fruta todo açúcar
E o amargor da realeza
Pelos ares semeando
Essa estranha natureza

Ai ai ai beleza
Ai tambor vai padecer
Não quero chamar em vão
Os nomes do meu querer

Cocar de penas, morena
Coração flecha ligiera
Primeira missa profana
Silvestre abelha me beija

Quase índio
Amazonas
Olho D'água arco-íris
Eu vou te encontrar no sol
Ardente como a estrela
Cadente no seu olhar
Paixão índia canção negra
Tanta Luz nos queimar
nos mares que te deseja

domingo, 20 de setembro de 2009

barreiras confusas

rapidamente.
as palavras chegam sim.
sem parar. aos prantos e sem encantar.

me torce, cordialmente.
e o medo que tenho de me desvirar.
nem que sorrateiramente.
com um ou dois erres... se forem meus,
que peitem essa angustia catende.

dificil ficar assim,
brisa e sempre.
entorto mas vou enfrente.
quero que seja, bem mais diferente!
salgado.
bem salgado

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Homens e Mulheres

Eu nunca havia entendido porque as necessidades sexuais dos homens e das mulheres são tão diferentes. Nunca tinha entendido isso de 'Marte e Vênus’. E nunca tinha entendido porque os homens pensam com a cabeça e as mulheres com o coração.

Uma noite, na semana passada, minha mulher e eu estávamos indo para a cama.
Bem, começamos a ficar a vontade, fazer carinhos, provocações, o maior 'T' e, nesse momento, ela parou e me disse:
- Acho que agora não quero, só quero que você me abrace...

Eu falei: - O QUEEE???
Ela falou: - Você não sabe se conectar com as minhas necessidades emocionais como mulher.

Comecei a pensar no que podia ter falhado. No final, assumi que aquela noite não ia rolar nada, virei e dormi. No dia seguinte, fomos ao shopping. Entramos em uma grande loja de departamentos. Fui dar uma volta enquanto ela experimentava três modelitos caríssimos. Como estava difícil escolher entre um ou outro, falei para comprar os três. Então, ela me falou que precisava de uns sapatos que combinassem a R$ 200,00 cada par. Respondi que tudo bem.

Depois fomos a seção de joalheria, onde gostou de uns brincos de diamantes e eu concordei que comprasse. Estava tão emocionada!!! Deveria estar pensando que fiquei louco. Acho até que estava me testando quando pediu uma raquetede tênis, porque nem tênis ela joga.

Acredito que acabei com seus esquemas e paradigmas quando falei que sim. Ela estava quase excitada sexualmente depois de tudo isso. Vocês tinham que ver a carinha dela, toda feliz!

Quando ela falou: - Vamos passar no caixa para pagar, amor?
Daí eu disse: - Acho que agora não quero mais comprar tudo isso, meu bem...
Só quero que você me abrace.

Ela ficou pálida. No momento em que começou a ficar com cara de querer me matar, falei:
- Você não sabe se conectar com as minhas necessidades financeiras de homem.

Vinguei-me! Mas acredito que o sexo acabou pra mim até o Natal de 2010...

(Luis Fernando Verissimo)

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

ZAP/SLAM

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em cofre não se guarda coisa alguma.
Em cofre perde-se a coisa à vista.
Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.
Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela.
Por isso, melhor se guarda o vôo de um pássaro
Do que de um pássaro sem vôos.
Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,
por isso se declara e declama um poema:
Para guardá-lo:
Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:
Guarde o que quer que guarda um poema:
Por isso o lance do poema:
Por guardar-se o que se quer guardar

(antônio cicero)

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Cantiga pros Orixás



mãe santinha falou, que não ia ser facil
você não concordou.
saiu rodando e rodando
por todos os cantos, não se conformou
testou, testou sua sorte
guerreiro tão forte é seu protetor
o mundo é feito de inveja, agouro
e peleja não se engane não.
fique de olho menino, não fique vazio
perdido no tempo.
controle sua força no peito, o amor e o respeito
pra seguir vencedor.

mas se um dia cruzarem o caminho
e nesse destino te trouxerem a dor.
saiba que sua vida é de glória, levanta tua espada
e chora sem sangrar.

Sua vida será sempre assim,
Batendo e apanhando, mas no bem espelhando
os valores que tem.

Não será muito fácil, mas tenha coragem
que eu vou te guiar.
erga seu império moral, de luta e sorriso e som de
menino simples, sim senhor.

controle sua força no peito, o amor e o respeito
pra seguir vencedor.

domingo, 30 de agosto de 2009

Com açucar com afeto

com açúcar com afeto from bianca turner on Vimeo.


Em algum bar amigo,
em alguma quente esquina,
Vou bater um samba antigo,
pra sempre rememorar
e nunca envelhecer

e digo que vou mudar de vida
pra alegrar teu coração
Logo vem meu prato quente
E eu torno a repetir
aquele velho e bom

sábado, 29 de agosto de 2009

sobrevivente

naufrague, voe, comentecapte
minta, sarause, recadoe
anuncientetize
Enfim, qualqueira!

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Mundo Livre

Olha, olha, olha
Olha, meu olhar mais fundo
Entra, entra, entra
Senta, bem vinda ao novo mundo

Minhas pernas são bastantes fortes
Como de todo trabalhador
Os meu braços são de aço
Como os de todo operário

Mas como já dizia um velho casca
A merda dos trabalhadores é sue alma inútil
Eu tenho uma alma que deseja e sonha
Mas como já dizia um velho casca
A alma de um trabalhador
É como um carro velho só dá trabalho

Tira, tira, tira
Deixa, não apaga o meu fogo
Suba, suba, suba
Gira, gira linda
É a bola do jogo

A bola do jogo
Sou um trabalhador sou sim,
Eu tenho uma alma que deseja e sonha
Deseja e sonha


e chega!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Tempestade de verdade

Quando você chegar
Não precisa interfonar,
Mete a mão na maçaneta e pode entrar
Você já sabe onde fica tudo aqui em casa
Fique à vontade, sem cerimônia

Tu já é de casa
Te conheço há tanto tempo
Sei de tudo, leio até teus pensamentos
Das novidades, te conto amanhã bem cedo
Pois entre a gente nunca houve segredos

Na geladeira tem salada
O insenssário tá no armário
Aquele verdinho que você gostou, deixa queimar
Não precisa me esperar pra nada
Você é a visita que eu gosto de ter em casa
Você é a visita que eu gosto de ter em casa

Só não vá confundir
Todo esse amor
Se eu te dou carinho é só
Pra ser bom
Nunca passou de amizade
Não vá confundir, entãoo coração
Nunca passou de amizade

Quando você chegar
Não precisa interfonar
Mete a mão na maçaneta e pode entrar
Você já sabe onde fica tudo aqui em casa
Fique à vontade, sem cerimônia

Tu já é de casa, te conheço há tanto tempo
Sei de tudo, leio até teus pensamentos
Das novidades, te conto amanhã bem cedo
Pois entre a gente nunca houve segredos

Na geladeira tem salada
O incenssário tá no armário
Aquele verdinho que você gostou
Deixa queimar
Não rpecisa me esperar pra nada
Você é a visita que eu gosto de ter em casa
Você é a visita que eu gosto de ter em casa

Só não vá confundir
Todo esse amor
Se eu te dou carinho é só
Pra ser bom
Nunca passou de amizade
Não vá confundir, entãoo coração, não
Nunca passou de amizade
Nunca passou de amizade


(aydar)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

back to the basics

você diz que não me reconhece
que não sou mais o mesmo de ontem
e tudo que eu falo ou faço não te satisfaz
mas não percebe que quando eu mudo e porque

estou vivendo cada segundo e você,
como se fosse uma eternidade a mais.
sou um móbile solto no furacão.

qualquer calmaria me dá,
solidão.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Carnal

Com panos enrrolados disfarçando a transparente
alça que cai do ombro e beira o cotovelo.
Um trejeito para levantar, um tique que não é nervoso
Mas deixa tenso quem não sabe o gosto desse veneno.

Preparada para uma batalha de salão, ela tem bolsa de
Quem já foi desse gueto que parece não visitar a muito tempo.

E tem tubarão, Ricardo, amigo de longe e os do coração.
Tem os que olham e pedem perdão, e aqueles que não atravessam
A linha da coragem da sua dança que nem é tanta perdição.

Mas leva pro escuro, e gruda as pernas, e repara os efeitos daquele
Baton sacana vermelho, que de santo só tem os olhos, por que o sorriso
É pura tentação. E envolve. E traz pra junto. E puxa. E roda. E finge que não dá bola,
Mas respira na orelha e brinca, e gargalha pra se esquivar... como quem nada quer
E nada pode...

E pega pela cintura, e aperta, e diz que não presta e fala que é bom
E que é assim que se faz. E não cicatriza porque bate um ventinho
E fica um tempo esperando o tempo passar, contando da vida
Da velha e boa risada, das coisas que ligam a pele e agarra..
E fica de beirada... e beija de pertinho e tenta roubar outro selinho
Mas a vontade era de arrancar um pedaço... e se controla e volta com o
Sorriso de lado... e pega na perna como se fosse sua e dá um cheiro
Profundo na curva da nuca, e age como se nunca tivesse passado por lá...

Ahh coisa boa carne louca que esse espirito me dá.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

liberdade

eu quero é liberdade
para andar por ai sem parar
eu quero é liberdade
pra sorrir e não ter medo de chorar
eu quero é liberdade
pra poder viajar por ai...e descontrair
eu quero é liberdade
para andar e cansar, e resolver voltar
eu quero que vc venha me escutar,
eu quero eu quero pra já
eu quero é liberdade
pra dizer aquilo que eu quiser
pra acreditar e ter fé
pra ser sol em dia de chuva
e ter o sorriso como companhia
saber a minha busca,
nesta fina sintonia.

domingo, 9 de agosto de 2009

Escapativas

O mais incrível do sentimento de paz é que ele não consegue mentir!...

Quando estamos em algum lugar confortável para as nossas almas bate um quê de calmaria, serenidade e paciência que acalenta qualquer coisa que pareça fora do lugar...Algo parecido como uma sensação de estar íntegro, plenamente encaixado....como se uma intuição constante dissesse que ali é o único lugar onde se poderia estar... algo parecido com colo de mãe quando se está com febre... Assim sabemos quando algo é bom para as nossas almas naquele momento; assim sabemos que o nosso organismo está em boas mãos. A paz não consegue mentir! Quando ela vem, não há dúvidas! Não há racionalização! Não há angústia! Não há ansiedade! Ela vem simples, acomoda-se como se sempre estivesse estado ali e se vai como um sono que nem se sente chegar...

Do contrário, quando não há paz, não há descanso! Não há fluxo de respiração contínuo... Por mais que se tente colocar as coisas no lugar, parece que tudo, estranhamente, se desorganiza. Sai do eixo e entra em um estado de desequilíbrio que exige constante vigilância e controle!
O que devemos sempre fazer é deixar a dúvida nos iludir tempo o suficiente para que acertemos/erremos e para que vivamos a vida como ela deve, aos poucos, ser vivida, degustada, arrependida, chorada, celebrada e imprecisa.

Mas depois percebermos que a resposta de todas as nossas dúvidas está em uma paz que acalenta qualquer pergunta e que essa deve ser nossa bússola emocional diária. “Tentar não custa nada” é falso! Por vezes, custa muito caro! Custa estar se estuprando e não seguindo a vida de acordo com o que o ponteiro da bússola aponta e isso faz com que, ao longo do tempo, não possamos mais confiar em nosso marca-passo natural; ele estraga e nós nos encontramos perdidos em nossos pilotos automáticos ensurdecidos. Por isso, é necessário decidirmos nossa vida na direção de para onde nosso “eu” fica mais em paz, pois assim saberemos quando e onde encontrar nosso descanso e nosso recarregamento de energia vital.

Essa balança é difícil, mas é a chave para a felicidade! Fraquezas são necessárias para as nossas exigências-escudos! Mas forças são necessárias para que vivamos uma vida de acordo com nossas aspirações existenciais! É muita ambição querer que o mundo funcione a nosso “bel-prazer” mas é muita falta de autonomia ignorarmos que temos escolha diante das frustrações. Não podemos mudar os fatos nem as pessoas, mas podemos decidir o que fazer com a realidade dada.

A vida é tão extensa, tão natural e fluida!...mas cada um sabe de que maneira encontra esse ponto de equilíbrio...

(I.F.S.C.C)

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Umbamarauma


Pula cai levanta corre sobe desce vibra
e agradece!

! homem gol !





“pra pessoas que tem uma luz interior brilhante,

não é preciso nenhum outro sinal pra direcionar...

Você mesmo pode iluminar o caminho que deseja seguir.”
RCN

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Sailor's Man


Bom dia segunda!
Que deveria ser primeira,
pois ninguém me convence que é no Domingo que começa a semana.

Depois de uma sexta sórdida, no sábado brilhou o aniversário de papai.
Primo Léo estava lá, Padrinho e namorado foram (com timidez) mas ainda não estreiaram a verdadeira equinanimidade que é nossa familia.
Os ligeiramente grávidos também foram, e até sorriram.

Acordei endiabrado e passei pro papel todo meu desgosto pelos compromissos marcados e desdenhados. Tanto os que eu marcava e não ia, como aqueles que hoje, eu sou obrigado a engolir a seco a ausência de alguém que se comprometia.

Forte é a palavra comprometer. Numa época de crise de valores, acho que perder créditos não é uma boa estratégia. Nesse ponto, ponto pra mim! Não pretendo investir errado!

Que preguiça. De receber mensagens sem remetentes. A minha cabeça que se divertia com tal serviço, agoranão aguenta mais adivinhar (e errar) quem é que tem me procurado.
e será que alguém tem?

depois de ficar disposto a sair da beira de mim e mergulhar fundo,começo a me agoniar com a produndidade desse rio. o outro lado nem to vendo ainda, e já começo a finjir que me arrependi com vontades frequentes de olhar pra trás. É o tal do vou não vou....

"vai raulzito... já era pra ter ido!"
rema! rema!

retratos de uma segunda feira,
que era de sol até a cidade acordar.
agora já ela já está sob nuvens novamente.

Sigo tentando pulsar sol,
mesmo que recebendo pus.

sábado, 1 de agosto de 2009

Vou não vou

Na população do descomprisso,
da omissão, da falta e da desculpa
só a musica pode dar ritmo e tarimba
divertida pro vicio que é a busca desenfreada pela liberdade,
que no revez seria leveza.... a cada dia mais pesada...
e boa pra dançar...

Vou não vou
Raul Cilento

Já faz um tempo.
Que os contra tempos nos impedem
de falar. Mas vamo vê!
A gente insiste em se encontrar por ai.
E finge se importar
em faltar.

Quando chega lá, sem exageirar
eu faço que não quero mais
não vou atras, num gole fico a me defender
Comum (cum) sorriso solitário
que não dá pra entender

e se você marcar e resolver
não aparece nem me esquece porfavor,
daqui a pouco já não vou mais me lembrar
a gente pode começar
denovo sem cansar

É um vou não vou!
Daqui a pouco, faz
assim, não vai rolar
quem sabe dá
me telefona ou deixa um
recado, uma mensagem
ou um bip no meu rádio

quarta-feira, 29 de julho de 2009

reflexivo inicial

referencias que se vão.
certezas que ficam. ensaio uma conversa profunda,
me esbarro em medos mas não deixo de me expor.

essa é a minha função. como uma barreira espalhada,
perguntar o obvio para ouvir uma resposta cada vez mais previsivel.
como se tivesse a certeza de que terei que depender apenas de mim
pra fazer acontecer o que acredito.

o que compõe o espirito parece ser lapidado de maneira intensa
e me manter na força me traz uma paz serena, de que será preciso suar
a minha própria camisa.... não por nada ou ninguém...
mas por mim mesmo.

penetro nos olhares e sinto alguns olhares que não vão dentro do meu. vejo-me influenciando os outros, tomando decisões e dando a atenção devida ao trabalho daqueles que como eu, buscam mais do que simples respostas de perguntas obvias.

o obvio que já é sabido precisa ser recalcado pois parece-me que as pessoas sabem exatamente aquilo que tem que fazer, mas não fazem aquilo que falam saber. opostos que se distanciam mas caminham juntos pra um lugar onde eu não estou.

continuidade

] não sabemos nada sobre continuidade. é preciso ter calma para discernir, é preciso ter razão para poder sentir o coração só assim, estaremos certos para seguir o destino que queremos. com calma e fé. Acreditando no caminho é que recontamos o passado tranquilizamos o presente, e programamos o futuro [

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Despertar



Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."
(Fernando Pessoa)

domingo, 26 de julho de 2009

Caban, no dia fora do tempo!

tranquilo estava enquanto frio. molhado e barreado, assim como eu semanas atras. tão perdido e ausente da vida, já suspirava as mudanças enquanto ensaiava as lambanças entre madeiras que eram pontes do meu querer. minhas cordas, todas tortas, escolheram oras e boas causas pra se defender. queria mesmo era pandeirar, batucar e insinuar o que era fato de praxe desentender. foi pra provar, que tinha preto nesse branco colorido olhar. nas mais profundas cadeiras, nao resisti e e permite gorrar afora esta brisa negra que tende a tordoar. decidi vibrar, mesmo cansado e contradigno entender as guerras do meu ser e harmonizar com arte, vida, compasso e ritmo as solidarias fugas da minha confiança.

dai-me, paz pra seguir firme. dai-me, força pra seguir em paz sem sair, longe de tudo
um parecido qualquer prova que eu não sou qualquer um. e mesmo que me confundam, eu me indireito. e sigo os caminho do pai que me devotou o dom de artirizar olhares, harmonizar sentidos e permitir movimentos.

dança CABAN infinito.
ritmo do ciclo solar. vem despertar e comprender!
os guerreiros do sol estão e tu guerreiro de ogum,
puxa essa guia. não te esmeire apenas em poesia....
faça prosa de brisa... e torne novo aquilo que já parecia...

compartilho contigo,
escorpiao que da carcaça sagita,
rio das mais intensas vigias...
prazer-te e dai-me noviças vidas.

viva...

domingo, 19 de julho de 2009

meiocão

cachorro louco
cuspindo bolas de fogo
em minha direção

pare de cuspir bolas de fogo
isso é muito perigoso
você não passa de meio cão, meio dragão

que quadro estranho
emitido sons de banjo
em minha direção

nunca pare de toca banjo
vamos acordar o arcanjo
adoro seus solos de banjo

que chinelo doido
se move como louco
em circulos pelo chão

você se move de modo estranho
faz círculos imperfeitos
parece dançar ao som do banjo

que cheiro é esse?
pegou fogo no tapete
essa não....

é tudo culpa daquele cão
que cospe fogo
eu tinha dito que era perigoso
meio cão, meio banjo.

NAN - Conta


Conta
Thiago Albanese / Raul Cilento

O que você me conta?
Aqui é conta pra todos os lados
Conta pra pagar
Conta pra cobrar
Conta pra atender
Conta pra esquecer!

Todo dia, toda hora
aqui dentrou ou lá fora.
A vida passa com a gente fora
pede a conta que eu vou m´embora

Só não quero ser refém,
de uma coisa que nem sei
onde começa e termina
uma mesa de cerveja

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Amnésia Temporária

Eu que nem me lembrava que ao aportar sem desleicho a frente desta roda viva que tende sempre a se esquentar, ia te curtindo como uma intensa e interessante roleta-russa que não tem hora nem momento pra disparar. Bala que entra certeira, conversa que se desenrola faceira e fácil de se achar. Uma cerveja. Duas. Dez.


Suas manias e sentidos me fazem intensificar o processo induzido. Sentidos conjuntos, o japones conversa sozinho e quase não dá atenção pras unhas vermelhas como chama de vulcão. Aos papos de campos que nunca desbravei, vamos determinando os momentos a ponto de ficarem bem mais musicais. Assim como paratodos, uma faisca permite a canção a sua reviravolta cordial.

Da sua maneira, mas com minha atitude e imposição, a delineação se torna tórrida, os cabelos já não tão curtos, os peitos caidos somente em minhas mãos. Isto porque a pitomba é rigida e suculenta, clara e real. Natural. E eu que nem me lembrava, que assim como o verbo que intrui e mostra caminhos, assim como os olhos de vidraça, as curvas da cintura de cinta e saia, e as pernas branquinhas que somente me interessam, nuas sob minha direção. E eu que nem me lembrava.


Que a saliva me embriagava e me tira a noção, a escuridão da esquina vira palco de divina apresentação, as ventas já se entregam ao contato e a sedução, e o enrrosca-enrrosco dos corpos e rostos sob minha interpretação, é como uma corrente que se parte em andromeda, refrata em mercúrio e reflete em escorpião.

E eu que nem me lembrava, que a menina é uma mulherzinha rude e doce. Criativa mavalda, que me conta a história que encantava, nessas eu sigo a escrever a prosa que te faltava.

E eu que nem me lembrava... e eu que nem........

UMASOVÖZEN



UMASOVÖZEN
Johnny Tude / Raul Cilento

Da Janela já vem som
No relógio ainda tem dez minutos
do meu precioso sono bom

O chuveiro, o café
O mar de carros chega
a não ter fim mas já que é assim.
É o que é.

Um perna e um violão
Uma só voz em vão e três cabeças
Suingando ao som de um carron

Mão no teto e o pé ta lá
No chão não cabe mais aqui.
É o que é.

Lixo Seco

O trabalho é um lugar engraçado. As pessoas se entrelaçam em obrigações maiores porém longe de algo comum. Resultado é o nome daquele pelo qual somos cobrados diariamente, e que posteriormente, passamos a cobrar da vida soluções para os resultados que não vem. As divisões aritiméticamente desenvolvidas para separar e integrar o espirito de Kotler, as vezes ficam esquecidas na prateleira, e colocam a boca comum em ofício. Muitas vezes fica na estufa e dá origem a freud ou marx. Dentro de seus decotes e saias, roupas e cores, as mulheres enfrentam e pisam no mundo corporativo assim como se sentam lentamente em uma cadeira de jantar, sem calcinha, prontas para dizer que estão saindo de casa, ou que querem o divórcio. Hoje até, ouvi rumores que o rapaz estava cinza demais, e que ele não era homem de verdade. Ciumes, a parte mais molenga da coluna vertebral masculina observo inoperante tal monólogo que tem alguns espectadores. Ao esbravejar aos ventos o seu cão de orgulho feminino, duvidas pairam sobre sua cabeça que procura resolver os problemas da vida na mesa de resultados. Dificil não?

As vezes é preciso andar com um escritório na cabeça e a vida no papel, nunca se sabe a hora de dar em punho próprio, com bic ou Mont´Blanc, a assinatura do sucesso. Da felicidade. da realização. É no meio de palavras como está ação+real se desenrrola pela vida que não explica as diferencas apenas brinca com a nossa capacidade de administrar as crises emocionais da natureza. Ele fez... ele faz... ele diz... ela briga... ela canta.. ela dorme tarde.. ele não levanta...

As vezes é banal e ridiculo como o tudo se desenvolve no estado de natureza do homem (que é o conflito) e permeia entre a paz e a guerra dos sexos que não procuraram ainda encontrar o caminho do desapego, da posse, do desejo material. Na sociedade do ter que subistitui o ser, vamos rindo e montando crônicas da vida alheia... mesmo que eu não tenha subsidio nenhum para dizer, aquilo que ele deveria ter dito.

Cantilena


"Eis aqui notícias de seu criado - estas terras por aqui, meu Rei, são estranhas! Uma eterna luta entre cobras e aranhas mancha o solo que aqui é encontrado!

Não existe o conceito de errado, não existe a ordem e a moral! Não vejo nada aqui que seja normal - esse lugar, por Deus, foi abandonado. Os desejos parecem todos forjados: quem quer finge não querer; quem sabe, finge não saber - os valores estão todos invertidos!!

Certos combates podem até ser divertidos, mas sempre à custa da humilhação alheia. A pessoa que por um instante titubeia é isolada sem dó nem piedade! Não sei dizer, senhor, o que aqui é de verdade, ou o que é encenado com a maior das perfeições. Sei dizer que as mentes calam os corações, pelo medo de ser ridicularizado.

Meu Rei, fico mesmo desolado, porque o amor, que tristeza, virou guerra! Com estratégias dignas de nossa terra pra conseguir a mais simples das vitórias. Por aqui, senhor, se contam histórias, de que o amor fere, ao invés de fazer bem! Tem gente que prefere viver sem, a correr o risco de um dia chorar.

Imploro ao Senhor que me permita voltar! O ar daqui parece ser contagioso - eu mesmo já ando desgostoso de com as pessoas daqui conversar. Sugiro nosso exército avisar, e que permaneça fortemente armado - por aqui se tem planejado os nossos campos dominar!
Senhor, eu vim lhe avisar, e rogo: por favor não permita! que essa gente esquisita possa nossa fé abalar! Não nos deixemos desmotivar! Lembremos do nosso passado, dos nossos anos dourados, e das nossas amadas crianças!

Não deixemos que a esperança possa pra cá se debandar! Reunamos nossos homens e às mulheres vamos avisar! A partir de hoje, ergamos os copos, e brindemos, senhor, a meus votos, que não deixemos de acreditar..."

19 de junho, meu presente e presente em...
http://noiasedelirios.blogspot.com/2009/06/cantilena.html
Obrigado!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

É abigou!

23/06/09, blog do Juca

Os espanhóis parecem ansiosos
Os espanhóis já falam no jogo contra os brasileiros, no domingo, pela final da Copa das Confederações.
Os brasileiros só falam do jogo contra os sul-africanos, na quinta-feira, pelas semifinais da Copa das Confederações.
Os espanhóis dão como certo que vão passar pelos americanos, na quarta-feira, pelas semifinais.
E devem passar mesmo, assim como os brasileiros devem ganhar dos anfitriões.
Mas, em futebol, como tudo na vida, se dá um passo de cada vez.
E a ansiedade dos espanhóis em enfrentar os brasileiros mais parece aquele sentimento que se confunde com temor, quando se tem um desafio pela frente e você quer que chegue logo, como se não pudesse conviver com a expectativa.
Normalmente, quando isso acontece, o ansioso se dá mal, come frio ou queima a língua.
Melhor subir cada degrau, sem pressa.
Porque se é verdade que a Espanha é hoje a primeira do ranking da Fifa e vem jogando há mais tempo um futebol convincente, não tenha dúvida de os espanhóis se preocupam mais com os brasileiros do que os brasileiros se preocupam com os espanhóis.

24/06/09

Estados Unidos 2 x 0 Espanho

25/06/09

Brasil x Africa do Sul

terça-feira, 16 de junho de 2009

2x1 em dia "diario" !

o dia tinha tudo pra ser otimo. Aniversarios... reuniões...
mas ja me veio com uma gripe. e cancelmentos.
os aniversarios aconteceram.... mas teve mais porém... é pois é...

grande amigo meu não joga mais comigo.
não joga mais no mesmo time.
saiu. ou sairam com ele!

ele é um cara de bem...
e nos perdemos ele.
agora vamos em frente, mas de olho...
talvez a familia nao seja mais assim tão grande.

o muro começa a se levantar, e eu preciso me preparar.
vem desafio por ai!!

happy new age my friend!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

The Next Time Around

One too many goals
That measure out your worth
To seek your weight in gold

Sat by the ivory sill
The further out you look
The further out you'll be

It's not enough to set the terms
If nothing ventured, nothing earned
Though odds are set against

In time, I'll belong to you
It's how it's meant to be

Settled on your own
Sweeping dust from stones
With a letter home
Back where the hour's long

The simplest things invite a thrill
If just by noticing at will
It's not enough to set the terms
If nothing ventured, nothing earned
It's how it's always been

E onde a sorte há de te levar
Saiba, o caminho é o fim, mais que chegar
E queira o dia ser gentil
À tua mão aberta pra quem é

little joy

In time, I'll belong to you
That's how it's meant to be
And how it's always been

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Muito, Prazer!

Quanto de prazer é possível tirar de uma experiência? Acho que muito mais do que a maioria das pessoas esperam. Aprendi que o prazer sensorial é a base de toda experiência prazerosa mas que ela pode ser maior quanto mais significado ela tiver para a pessoa.

Por exemplo, fazer sexo é sempre bom, mas fazer sexo com afeto é melhor. E, sexo com afeto mais a intenção de fazer filho é muito melhor. Por isso, esse último é mais raro! O gozo é o mesmo mas o prazer é muito maior.

Outro exemplo, um copo de um bom vinho é sempre gostoso. O mesmo copo de vinho acompanhado de uma pessoa querida é melhor. Mas um copo de vinho com uma pessoa querida e conhecendo as condições da safra, a região de origem e sua composição permite saborear nuances que um paladar ignorante jamais alcançaria.

O mesmo copo, pelo mesmo preço mas com muito mais prazer.

Dissociar prazer do seu significado faz com que a gente perca o melhor da festa. Pelo simples fato do ser humano ter sido feito com outros corpos além do físico. É uma pena que esta dissociação tenha se tornado mais freqüente na sociedade
contemporânea.

Parece uma ironia que a luta pelo direito ao prazer sem culpa, uma bandeira preciosa da minha geração, acabou por empobrecer a própria experiência que tanto defendemos.

Porque a idéia original era integrar o corpo com a cabeça, coisa que o rock’n’roll fez lindamente quando a pélvis do Elvis escandalizou os anos 50 do século XX. Foi tão revolucionário e agressivo que as transmissões de seus shows na TV cortavam sua imagem da cintura para baixo.

Conseguimos liberar o corpo mas ainda não estamos conseguindo integrá-lo com a cabeça. Parece que cada um foi para um lado, com sérios prejuízos para os dois.

Acho que está na hora de integrar o corpo alienado com a cabeça consciente. Porque o corpo alienado e ignorante dominado pela busca do prazer sensorial indiscriminado acaba por se destruir como nos ensinou a AIDS. E a cabeça consciente sem o corpo como instrumento de realização fica improdutiva e acaba entrando em profunda depressão. Estão aí duas doenças modernas: a AIDS e a depressão.

Acredito que essa integração vai acontecer quando as pessoas aumentarem seu
desejo por prazer.

O prazer é mestre porque aponta o caminho da satisfação e da realização. O que precisa é ampliar a consciência para poder tirar mais do mesmo. Consciência sobre a sua própria identidade para saber para que serve e o que fazer de sua vida. E consciência sobre sua circunstancia para saber o que fazer para cumprir o seu destino.

O corpo já encontrou os seus limites. E o prazer sensorial no limite do corpo é pequeno demais perto do potencial que nós humanos temos para viver e realizar. Lembro da heroína que deu nome ao filme mais tesão da minha geração- Emanuelle - que precisou esgotar todo o potencial sexual do seu corpo para estar pronta para o amor.

Pode ser que isso esteja acontecendo no nosso processo civilizatório. Tomara.

Ricardo Guimarães.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Quem quer não tem


No artist name
Raul Cilento / Thiago Albanese / Renato Gave

procura e procura lá...
e torna a se procurar
mas não vai, mais não vai
se achar

mas se tem demais
eu vou atras!

a cidade não vai me engolir

sou forte e vou aguentar
nem que eu tenha que te derrubar


quem quer não tem não
quem quer não tem vão
quem quer não tem
tem, quer. não quem.

coming soon...



Vamos lá direto ao ponto.
Estou envelhecendo. Ponto.
Isso todo mundo sabe.
Isso eu também sei.

Agora vamos ao que eu não sei:
- Não sei lidar com a demora
- Não sei entender pra onde as pessoas estão indo
- Não sei entender a falta de educação que elas tem
- To ficando cansado de abrir buraco em parede dura
- To ficando cansado.

Agora vamos ao que os outros sabem:
- Que eu vou chegar lá
- Que eu penso demais
- Que eu não preciso furar parede, eu posso pular o muro
- Que eu devo relaxar
- Que eu já sou, não preciso me neurar.

Ok!
Sendo isso uma verdade, comecemos o processo inverso.
Já não vou mais me queixar, e vou me lixar para o que os outros pensam.
Chegou a hora de aceitar que meu modelo é vencedor e vai vingar,
e se ele é assim não dá mais pra ficar querendo outro.
Cada um tem seu Dharma e merece respeito pelo modo que vive.
As perguntas estão ebolindo, e eu, começo finalmente abrir o sorriso...

a resposta está chegando... e é disso que eu vinha falando...
tudo bem que eu não respeito a demora,
mas já era hora dela chegar.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Grande Virada




Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu...
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega o destino prá lá ...


Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda viva

E carrega a roseira prá lá...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

A roda da saia mulata
Não quer mais rodar não senhor
Não posso fazer serenata
A roda de samba acabou...
A gente toma a iniciativa
Viola na rua a cantar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a viola prá lá...

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

O samba, a viola, a roseira
Que um dia a fogueira queimou
Foi tudo ilusão passageira
Que a brisa primeira levou...
o peito a saudade cativa
Faz força pro tempo parar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a saudade prá lá ...

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

Roda Viva
Chico Buarque

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Devagarinho: Olha a gente aqui denovo!!



Dona Carolina!

Cantamos o Seu Luiz. O mesmo de sempre,
o velho aprendiz e rei do Baião.

Nesta casa ninguém é rei,
Mas devagarinho a gente se convém
que é melhor agradecer a vida
do que lamentar os poréns.

Quando fico com os olhos na ladeira,
e no trabalho como minha poeira,
canto as notas do sertão que clareia,

o gibão e coroa de rei,
tudo isso a senhora me deu.


Champions League

“No ano passado, comparei o Manchester United a um bem sucedido e bem vestido advogado, que dirige um Jaguar caríssimo e tem uma profunda conta bancária. Pois bem. Ele está mais famoso, mais rico, e mais confiante.
E certamente não acha – ainda que não diga em público – que seu adversário tem alguma chance.

Já o Barcelona é como um publicitário brilhante.

Usa sua inesgotável criatividade para surpreender quem se acostumou com o que é comum. Dirige um jipe importado, tem uma relação saudável com o dinheiro, e não parece ligar para o que os outros pensam.
E o tipo de pessoa que acredita que ser feliz não é apenas possível, mas provável”.


De André Kfouri

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Lampejo do Tempo


"Disfarça que o tempo não passa
e segue a voar.
Com seus precendentes, procura chegar!
Ao som dos arpejos eu sigo a cantar
Olhando pra terra, olhando o luar."




segunda-feira, 25 de maio de 2009

Peixes, Pássaros e Pessoas

Com um propósito bem brasileiro, apimentado com misturas de forrós e musica caribenha Mariana Aydar deixa florescer o regionalismo que cantou no inicio da carreira. Um disco repleto de sambas de diversos tipos tem propósito mais solido do que o Kavita, que já beirava ao moderninho cult. As letras mostram maturidade, mas o que impressiona mesmo é a marca do timbre vocal de Mariana que dá a toada do disco. Marcante, salgada e cheia de ginga. Na proposta criativa mais do que se vem fazendo, mas nada além do que o provavel. A influncia de Duani é evidente, mas que só vem acrescentar no molho melódico sons e instrumentos diferentes... aos quais ele já ficou famoso por utilizar.
Bom disco, excelente cantora

sexta-feira, 22 de maio de 2009

IRONIA NO SEU MELHOR

90 pessoas apanham a gripe Suina e o mundo todo quer usar uma mascara.

Um milhão de pessoas tem AIDS e ninguém quer usar um preservativo.


sábado, 16 de maio de 2009

Pras bandas de lá



Eu vou abandonar
Deixa o mundo velho por aqui
Não quero mais viver
correndo assim, sem tempo pra viver.

Vi que é melhor
calar que falar
mais é cada uma que eu
tenho que escutar
no momento eu não estou,
mais deixe o nome após o sinal

Eu tô pras bandas de lá
fui viajar, pra ver sol morrendo no mar

Não tenho pressa, nem me interessa
quanto tempo vou levar
Não vou me permitir, fingir que tô legal
sem estar.

Quanta social, é tanta ambição
pra conseguir o que se quer
Perder, ganhar isso não me vale
prefiro mil vezes.

Ir pras bandas de lá
fui viajar, e desliguei o celular!
e ninguém vai me encontrar.
(aydar-duani)

sexta-feira, 15 de maio de 2009

meu ritmo...



Eu me visto como quem vai entrar num palco.

Porque sou muitas pessoas, a cada dia me revelo um,

então o que escolho para vestir tem a ver com o

personagem que acordar na minha alma naquela manhã.



Pode ser um pelé, pronto para driblar.

Pode ser uma homem invisível.

Pode ser poeta sonhador, ou um politico questionador...

Pode ser Chico, Vinicius, ou ninguém.


Tem dias que acordo alguém que não conheço.

Demoro pra descobrir quem sou: e troco e troco de roupa.

Até me entender.

Só saio quando me acho.


Mas todo dia, todo dia mesmo,

seja de chuva ou de sol, de bom ou mau humor,

sou sempre alguém diferente.

É que para ser eu mesmo eu preciso ser assim."

Adaptado do original de Cristiana Guerra

terça-feira, 12 de maio de 2009

Ode ao Ócio Criativo



Aprontando no trabalho....

segunda-feira, 11 de maio de 2009

o que o tempo diz para os meus olhos



o tempo, navegando por meus olhos
desbotou a nuvem cinza que eles viam quando ainda grumete de meu barco
aprendia sobre o leme do destino.
felizmente, os meus sonhos de menino
irrigados pela chuva dos meus prantos não morreram nem viraram desencanto
e a mágoa – muita mágoa, choveu tanto! -
não fez germinar ervas daninhas.
se doeu? ah, doeu de não ter jeito...
mas meu peito aprendeu a ler direito
as mensagens que traziam as entrelinhas
na surpresa espantosa dos milagres
que surgiram a cada instante no caminho.
hoje, mesmo o prata dos cabelos
não me traz mais o medo da velhice.
nem o corpo, utilizado pelos anos
realizando travessuras bem mais lento
me impede de estar no meu momento
como o vento na carona de uma brisa.
o fracasso, este sucesso disfarçado
que me recria em outras tentativas
há muito não me soa resultado
e sim indicador de alternativas.
não estou cansado, somente ritmado
num bolero calmo e apaixonado
para gozar cada minuto integralmente.
sei que Deus, a quem julgava preocupado
em ver o cosmos girar maquinalmente
como um grande relógio meio atrasado
correndo atrás de um tempo elaborado
para ser e acontecer pontualmente,
na verdade está mais interessado
em ter na criatura não um criado
mas sim um co-autor, impulsionado
para crescer, sempre e eternamente
rompendo seus limites, planejados
para que possa, os quebrando continuamente
compreender que sua meta é ultrapassá-los
e descobrir o inconcebível que há em frente.
sei também que este Deus, inexplicável
na força de seu amor inexprimível
foi tão longe que tornou quase impossível
para o homem não tocar o inatingível
mesmo quando sequer creia em sua existência.
porque a essência, seja ela Deus ou acaso
leva o espírito, seja este alma ou mente
a apenas sendo bom se sentir vivo integralmente
a somente perdoando perdoar-se plenamente
e a só por ter a aurora aceitar haver o ocaso.
por isso eu, mesmo crendo plenamente
e o que não crê, ou quem crê diferencialmente
em outra forma de comando onisciente
- talvez exista uma para cada um da gente -,
somos todos condenados ao infinito,
ao mistério, ao fascínio, ao encantado,
à maravilha do silêncio após o grito
que ao dizer ”seja” nos fez, e ao dizer “dure” deu vez
a cada ser, a cada ver, a cada atrito
que nos polindo põe em nós um brilho aflito
querendo brilhar mais, voar no próprio mito,
purgando seus delitos, e livre de detritos
mostrar que o homem pode, isento de conflitos
ser tão bonito como um raio de esperança
que quando estivermos prontos vai chegar
e nascendo da consciência que já avança
implantar a necessidade da mudança
saudando o mundo com seus olhos de criança
e se espalhando como um canto pelo ar...

(...) por Bianca Turner
de Hugo Leal

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Caminho da Senda



Disse o rabino: Você vê? Os dois lados da estrada são para os seres homanos; apenas os cavalos transitam pelo meio!

Para ele, a mediatriz é o caminho dos moderados.
Se em teoria o caminho do meio nos parece mais equilibrado e maduro, em termos da alma, qual é o ser humano que, profundamente mobilizado por uma intenção e sedento pelo sagrado pode deixar de ser passional e extremista?

Como estar apaixonado e ser moderado?

O "caminho do cavalo" representaria a postura daquele
que teme a experiência radical de romper com o padrão
e a expectativa da maioria.

É a opção pelo conhecido, pela segurança e pela convenção!

Reflexão de,
Alma Imoral de Nilton Bonder

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Malditos planos

quando vou à praia,
não escrevo no caderno o km que vou parar
pra abastecer. afinal, parti de tanque cheio.
eu que decido que praia que quero banhar-me.

quando vou ao campo,
não programo a hora de mijar. é mijar mesmo.
afinal, só irei se tiver vontade,
ou me desafiar e segurar até chegar lá.

quando vou ao trabalho,
não programo a hora de coçar o saco.
ele simplismente me doi, ai eu vou lá
e coço.

por isso meu velho amigo,
tem coisas que não se programa. naturalmente acontecem,
basta seguir suas vontades com calma e destreza.

girassóis não curam gripe,
mas assustam.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Poeta Imoral

Quando fiz minha primeira musica. A primeira de todas. Achei ela tão careta que joguei fora no lixo e pensei nunca mais escrever outra. Mal tinha certeza disso, já estava eu fazendo outra.. e outra.. e mais outra. Por mais que nao gostasse de nenhuma, me divertia com a possibilidade de ser cantor. Poeta. Escritor.

Um dia, minha irma, colocou uma folha amassada em seu mural com dizeres que havia feito.
Dizia ela: De onde você copiou isso?
Eu, menino, ingenuamente disse: Da minha cabeça.

Incrédula, ela passou a procurar na internet as verdadeiras referencias. E não encontrou.


Conforme fui me tornando homem grande, refinando minha escrita, percebi que a produção acontece em sintonia com a alma. E que essa é imoral. Pois rompe com as regras e jogos do corpo e da mente. Foi assim que passei a gostar daquilo que escrevia. Talvez porque com esse saber, passei a escrever aquilo que realmente precisava e queria escutar de alguém.

Quando vejo as pessoas lendo-me... ou, replicando-me por ai... me brilha essa imoralidade. Sinto minha funcao de poeta ou escritor se completar pois consegui em palavras, traduzir não só uma verdade da minha alma... mas sim, dar vida a imoralidade que as vezes não podeSer dita por qualquer um.

Essa sensação de completude, de poder cativar os outros por ter a capacidade de ordenar palavras de forma inesperada é que faz um poeta um eterno pobre de riquezas materiais.... mais um rico eterno na consciencia dos que o replicam.

Multiplicar suas palavras em meu blog, que possuem frases de Vinicius de Morais, Tom Jobim, Chico, Noel e outras pessoas que também deram asas a imoralidade que o homem corpo social não consegue falar e escrever, é torna-los eternos, em todas as instancias. Seus nomes são vivos dentro de mim. Este era o verdadeiro intuito, já que suas palavras tinham realmente me tocado fundo!

O profissionalismo do poeta é dar vida ao que é abstrato, transpondo a barreira do utópico para o real. Tornar a poesia em razão é dar um tiro no pé, e de certa forma ultrajar qualquer compromisso com o sentimento, aquele que fez em determinado momento tais palavras serem ordenadas com sabedoria.


RCN

domingo, 26 de abril de 2009

Surpresa!

Lembre-se:
- Foco! Concentração nas coisas boas e saudáveis.
- Beber menos

- Se colocar de acordo com que seu emocional precisa.
não dialogue com as pessoas que você ama pela razão.
não é para isso que nós nos aproximamos de outro
ser humano, e sim pelo afeto.

- Se aproxime mais de você mesmo
- Seja menos exigente consigo,
com os outros e com o mundo!
- Nós damos o melhor que pudemos.
Se preserve. Se cuide!
Seja, verdadeiramente feliz!

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Dobradiças

A vida tem tantas dobras!
Minhas quase rugas começam entender as sinergias mesmo sem decidir suas vazões.
Quem dera, ou quem me dê opções! A pele irritada já não só canta amores, ou dores, ou os dois.

Levanta preocupações... reflexões... preto e branco!

Cala-te ou sai livre para este máximo de sedução.
O que eu quero é o que eu não tenho, e se quero ficar porque não tento?

Numa situação comoda, deixo você decidir se quer ou não pisar na bola.
Pela primeira vez não decido, só me obrigo te afastar se você se perder em sua própria guia.
O que é meu, fica guardado, sentado e calado nas noites de raro frescor.

O cigarro vem acalmar aquilo que até então era apenas esporte!
E se dá sorte, não me engana e nem teme...

As coisas tem um tempo e ritmo definido...
Cabe a gente entender o compasso,
e não perder o passo!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

nunca sei

ter paciência
confiar.
dar tempo, e curtir.
relaxar e destrair

dizer o que realmente sinto.
sentir, sem dizer nada.
Conforme o tempo passa, aprendo...
mesmo sem saber se é o suficiente.

O quanto te quero é o quanto fujo de mim!
numa mescla de passado com o presente,

confio.
tenho
dou tempo.
me destraio e relaxo.
com você.

Sensação de conseguir as coisas sem conflitos
não me é comum.
Será que dura?



sexta-feira, 3 de abril de 2009

Ambição e Ética

O consultor de empresas e conferencista Stephen Kanitz escreveu um artigo intitulado
"Ambição e Ética", que foi publicado na revista Veja, do qual extraímos algumas reflexões.
Kanitz define a ambição como sendo tudo o que você pretende fazer na vida. São seus objetivos, seus sonhos, suas resoluções. As pessoas costumam ter como ambição ganhar muito dinheiro, casar com uma moça ou um moço bonito ou viajar pelo mundo afora.
A mais pobre das ambições é querer ganhar muito dinheiro, porque dinheiro por si só não é objetivo: é um meio para alcançar sua verdadeira ambição, como, por exemplo, viajar pelo mundo. Já a ética são os limites que você se impõe na busca de sua ambição.

É tudo que você não quer fazer na luta para conseguir realizar seus objetivos.
Como não roubar, não mentir ou pisar nos outros para atingir sua ambição, ou seja, é o conjunto de princípios morais que se devem observar no exercício de uma profissão.
A maioria dos pais se preocupa bastante quando os filhos não mostram ambição, mas nem todos se preocupam quando os filhos quebram a ética.
Se o filho colou na prova, não importa, desde que tenha passado de ano, o objetivo maior. Algumas escolas estão ensinando a nossos filhos que ética é ajudar os outros. Isso, porém, não é ética, é ambição.

Ajudar os outros deveria ser um objetivo de vida, a ambição de todos, ou pelo menos da maioria. Aprendemos a não falar em sala de aula, a não perturbar a classe, mas pouco sobre ética. O problema do mundo é que normalmente decidimos nossa ambição antes de nossa ética, quando o certo seria o contrário.
E por quê?

Por que dependendo da ambição, torna-se difícil impor uma ética que frustrará nossos objetivos. Quando percebemos que não conseguiremos alcançar nossos objetivos, a tendência é reduzir o rigor ético, e não reduzir a ambição.
O mundo conheceu a história de uma estagiária na casa branca, que colocou a ambição na frente da ética e tirou o partido democrata do poder, numa eleição praticamente ganha, devido ao enorme sucesso da economia na sua gestão.
Não há nada de errado em ser ambicioso, desde que se defina cedo o comportamento ético.

Quando a ambição passa por cima da ética como um rolo compressor, o resultado é o que podemos acompanhar nos noticiários que ocupam as manchetes em nosso país.
Assim, para mudar definitivamente essa situação, é preciso estabelecer um limite para nossa ambição não nos permitindo, em hipótese alguma, violar a ética para satisfação pessoal, em detrimento do coletivo.
Conforme ensinou Jesus, "seja o seu falar: sim, sim, não, não".

Seja em que situação for.
E se estiver difícil definir se estamos agindo com ética ou não, basta imaginar como julgaríamos esse ato, se praticado por outra pessoa. Se o condenamos é porque não é ético. Se o aprovamos e julgamos justo, então podemos seguir em frente.

domingo, 29 de março de 2009

Lifestyle

eu pinto as paredes dentro do meu pensamento
E quando eu vejo que deparo com a ordem certa
de seus movimentos
naquela mesma sala, nas estantes azuis nos recados e contos, no contorno do país
Das coisas que flutuam e atravessam o vão de grandes monumentos
E tem quem diga
Que já viu ou verá
A linguagem secreta
das coisas no lugar

Me dizem algo que ainda não entendo,
e das coisas que me lembro
é bruce lau é life style the arts of looking sideways

e que fique sentado ou parado no ar
que fale com os criados todos mudos no altar
que faça reboliço,
how to turn pros florais

que abra e tranque a porta,
que volte tudo pro lugar
Que as coisas que tem sempre um tempo definido
um artifício do momento.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Foi um rio, que passou em minha vida!



Eu ia!
Do flamengo até botafogo.
batia maracatu, brincava de roda...
contava história.

Eu via,
Ipanema e Leblon.
Parava no côco, fazia um som!
Na João Lira, moça bonita...
futvolei... mar... sol... sedução.

Na brisa,
voltava pra Barra
mas já me aprontava,
era noite na Lapa.
Não tinha perdão.

Pra vida,
eu levo a malicia,
a alegria da rotina,
humor... zoeira, mermão!

O ar puro e fino,
Dá lugar ao sussuro feitio
de um cano furado, e um esgoto
dourado.

Mas não repudio.
pois a força de um grande navio
não pode atracar antes do destino.

e eu vou...

Frequência Obrigatória


Os caminhos me levaram pra cidade
Maravilhosa
Da bossa, do som,
da curtição

O sapato é branco é na moral
No quadrado eu fiz o meu astral
e é assim que se faz, com gente de vida
com gente da paz

Nos bares onde andei
Nas musicas que cantei
Pra'quela que não me quis,
mas me olhou

E pra você que veio aqui e me perguntou

Ô rapaz não me importa o seu nome
Seu rádio, seu carro, seu celular
Mas toque essa viola e mostre sua verdade
Que eu quero sempre mais

Musica e dança
Dançar juntinho
É no forrózinho
Nos jogos e cartas
Geladas e gingas

Tiradas curtinhas
Liga liga, Tic Tac
Seu quiser tragar (se eu quiser fritar)

Gargalhada de madrugada
Ausencia sentida
Mas a sintonia não acaba não
Então aumento o som
Chama outra e vamos cantar

Ah, vamos cantar,
De janeiro a janeiro
Chega fevereiro
E eu vou pra rua
Vou brincar

Não, não! não me importo mais não!
Podem falar e cochichar
Que eu sujo minha roupa
eu posso limpar

Não, não! não me importo mais não!
Podem falar e cochichar
estação quadrado
Frequencia Obrigatória,
se liga eu to lá.
...
"Eu to indo embora, mas deixo a viola
sorriso no rosto, e o Rio de Janeiro
no meu coração"

segunda-feira, 16 de março de 2009

Dizeres e afazeres...

O homem morre pela boca. a saida infame e derradeira daqueles que pleiteiam contra sua posição. O homem vive um espanto. É dentro de sua cabeça podre que gera a inveja e provoca anonimato. O homem vive esperando. A soluçao dos prazeres a cobiça pelo que é do outro, o desenrrolar do ócio, a desfunção dos dissabores.

Hoje estou em retirada. e mesmo que esta desforra manifeste um sumiço por fim. pobres análogos aos meus dizeres. terão que se contentar com meu passado que já está escrito e portanto podre dentro de sua cabeça, e aspera na ponta de sua lingua. Onde guiará o seu verbo sem a minha posição de imagem e texto. onde buscará força para ser certo e quando deixará sua mascara cair.

é no objeto dos prazeres,que faço a minha História com dizeres...
é na sua imensa cobiça,que me esquivo sem preguiça....
são caminhos a se guiar, são palavras para cantaros
meus sorrisos estarão com ela
a sua verdade podre
por baixo da terra
adeus

domingo, 15 de março de 2009

agridoce

Com acucar com afeto,
sem jeito de parar em casa,
Eu nao peço que acredites,
quando digo que nao me atraso

Eu vou atras do meu salario,
trabalho feito um operario
Mas sempre arrumo jeito de comemorar
é bom estar com todos,
sempre pra puxar assunto,
e discutir um futebol

adimiro olhar as saias,
De quem vive pelas praias
Ou dancando no salao

Em algum bar amigo, em alguma quente esquina,
Vou bater um samba antigo, pra sempre rememorar
e nunca envelhecer

Quando a noite enfim me cansa
Eu volto feito crianca
Implorar algum perdao
Eu nao vivo sem um nao...

Logo vem meu prato quente,
Finjo que mudo pra sempre
E torno a repetir
Aquele velho e bom
refrao

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Marcha de cinzas

Acabou nosso carnaval
Ninguém ouve cantar canções
Ninguém passa mais brincando feliz
E nos corações
Saudades e cinzas foi o que restou

Pelas ruas o que se vê
É uma gente que nem se vê
Que nem se sorri
Se beija e se abraça
E sai caminhando
Dançando e cantando cantigas de amor

E no entanto é preciso cantar
Mais que nunca é preciso cantar
É preciso cantar e alegrar a cidade

A tristeza que a gente tem
Qualquer dia vai se acabar
Todos vão sorrir
Voltou a esperança
É o povo que dança
Contente da vida, feliz a cantar

Porque são tantas coisas azuis
E há tão grandes promessas de luz
Tanto amor para amar de que a gente nem sabe

Quem me dera viver pra ver
E brincar outros carnavais
Com a beleza dos velhos carnavais
Que marchas tão lindas
E o povo cantando seu canto de paz
Seu canto de paz

(Vinicius de Morais)

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Processo em progresso

eu não me canso.
de seguir em frente, mesmo quando
alguém me chama pra ficar.

eu não me canso.
porque hoje é sabado. Amanhã é domingo.

eu não me espanto.
em pensar como pedra aquilo que é
tão mole e sutil.

eu não me provo.
apesar de amargo,
finjo ter perdido o medo da perda.
a minha audácia é que me sustenta!

Não sei se demoro, ou se revolto...
Pras duvidas, deixo meu passado...
O que seria o mais sincero agora...

a hora do encontro é também despedida.
e sem reencontro não cobre a ferida?

melhor assim?
melhor assado?

eu não me canso!
tá perdoado!

fim da linha!
Você pula fora e eu concordo.
sem me cansar.
e agora?
cansou?

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Cidade d'Oxum







Nessa cidade todo mundo
é d'Oxum
Homem, menino, menina, mulher
Toda a cidade irradia magia
Presente na água doce
Presente na água salgada
E toda a cidade brilha
Seja tenente ou filho de pescador
Ou importante desembargador
Se der presente é tudo uma coisa só
A força que mora n'água
Não faz distinção de cor
E toda a cidade é d'Oxum
É d'Oxum É d'Oxum
Eu vou navegar
Eu vou navegar nas ondas do mar
Eu vou navegar nas ondas do mar

Perfil Psicológico / Complexo Edificil



- Consegue tudo que quer, perde o que tem -


- Chuta tudo que tem e quer -


- Valoriza o que tem e quer -


- Não sabe o quanto tem, ainda quer mais -


- Não sabe o que quer nem o que tem -